Swartzia flaemingii Raddi

Swartzia flaemingii Raddi, árvore com ocorrência comprovada em Restinga e Mata úmida de Alagoas

Espécie com ocorrência confirmada na Restinga e Mata Úmida no estado de Alagoas por:

“Gilberto J. S. Vasconcelos, viveirsta forestal e Fotógrafo da Flora Nativa”

 

 

Notas Taxonômicas

Espécie descrita em 1820 por Raddi. Conhecida popularmente como “jacarandá-do-cerrado” (Oliveira et al., 2001), “rama-de-bezerro” (Aquino; Cajazeira, 2008), “jacarandá-branco-do-litoral” (Nacif et al., 2009), “jacarandá-de-veado” (Muniz, 2008), “banha-de-galinha” (Domingos, 2007), “pau-sangue” (Queiroz, 2007), “pacova-de-macaco-miúdo” (Pires, 2008).

Dados populacionais

Espécie frequente no dossel (Lima et al., 2011), foram contabilizados 131 indivíduos em diferentes localidades da sua EOO (Lima et al., 2011; Gouveia, 2009; Silva et al., 2008; Menino et al., 2008; Neves; Peixoto, 2008; Vasconcelos, 2006; Gressler, 2005).

Distribuição

Espécie endêmica do Brasil, com distribuição nos Estados do Pará, Tocantins, Maranhão, Bahia, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro (Mansano et al., 2010). Ocorre do nível do mar até 900 metros de altitude (Moreno et al., 2003; Vasconcelos, 2006). Custódio; Guedes-Bruni (2007) relatam que a espécie não foi mais coletada na região da Reserva Biológica do Tinguá nos séculos XX e XXI, apesar do esforço representativo de trabalhos botânicos na região a partir da década de 1990. O mesmo autor infere que a fragmentação influenciou a dispersão de frutos e sementes, que pode ter ocasionado uma redução ou até mesmo extinção da subpopulação local, em decorrência das exigências para uma subpopulação mínima viável.

Ecologia

Espécie arbórea de grande porte (Cowan, 1967). Fanerófito, atingindo até 18 metros de altura (Lima et al., 2009). Ocorre na Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica (Mansano et al., 2010), em Floresta Decidual (Lima et al., 2011), Floresta Estacional Semidecidual (Dan et al., 2010; Lima et al., 2009), Floresta Ombrófila Densa/Aberta e emergente em Floresta Estacional Decídua Montana (Lima et al., 2009). É considerada indicadora de Florestas Ombrófilas de baixas altitudes do norte (Oliveira-Filho; Fontes 2000), ocorre em Floresta primária ou secundária no Brasil oriental (Cowan, 1967), em Carrasco (Vasconcelos, 2006) e Chapada (Lemos, 2004). Apresenta dispersão anemocórica (Muniz, 2008) e zoocórica (Zipparro et al., 2005). Floresce em dezembro, março e maio, e frutifica de agosto à janeiro e março à novembro (Muniz, 2008; Vasconcelos, 2006). Considerada daninha em áreas de plantios de melão (Aquino; Cajazeira, 2008) e caju (Aquino et al., 2003).

Ações de conservação

4.4 Protected areas
Situação: on going
Observações: De acordo com CNCFlora (2011) a espécie ocorre nas seguintes unidades de conservação (SNUC): Floresta Nacional do Araripe, Crato, Ceará; Estação Ecológica de Aiuba, Aiuaba, Ceará; RPPN Dunas de Santo Antônio, Mata de São João, Bahia; RPPN Serra das Almas, Crateús, Ceará; Parque Estadual do Desengano, Santa Maria Magdalena, Rio de Janeiro; APA de Santa Rita, Marechal Deodoro, Alagoas; Parque Nacional da Serra da Capivara, São Raimundo Nonato, Piauí; APA Cairuçu, Paraty, Rio de Janeiro; Parque Estadual Xixova-Japui, São Vicente, São Paulo; Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro; Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Ocorre também na APA Estadual do Rio Pandeiros, Januária/MG (Sales et al., 2009), no Parque Estadual Intervales (Zipparro et al., 2005), na Reserva Biológica de Una (Gouveia, 2009).

4.2 Restoration
Situação: on going
Observações: Considerada uma espécie alvo para a conservação e restauração da biodiversidade do Estado de São Paulo (Rodrigues et al., 2008).

1.2.2.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: Considerada “Em Perigo” (EN) pela Lista de Espécies Ameaçadas de São Paulo (SMA-SP, 2004).

Usos

Referências

– SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, SÃO PAULO. SMA-SP. RESOLUçãO SMA N. 48 DE 2004. Lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção, Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, SP, 2004.

– OLIVEIRA-FILHO, A.T. TreeAtlan 2.0, Flora arbórea da América do Sul cisandina tropical e subtropical: Um banco de dados envolvendo biogeografia, diversidade e conservação. Universidade Federal de Minas Gerais. Disponivel em: <http://www.icb.ufmg.br/treeatlan/>. Acesso em: 28 fev. 2012.

– MANSANO, V.F.; PINTO, R.B.; TORKE, B.M. Swartzia in Lista de Espécies da Flora do Brasil., Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB023178>.

– LIMA H.C.; TOZZI, A.M.G.A.; FORTUNA-PEREZ, A.P. ET AL. Fabaceae (Leguminosae) in Plantas da Floresta Atlântica. In: STEHMANN J.R.; FORZZA, R.C.; SALINO, A. ET AL. p.516, 2009.

– COWAN, R.S. Swartzia (Leguminosae, Caesalpinioidae, Swartzieae). New York: Botanical Garden Press, 1967. 228 p.

– AQUINO, A.R.L.D.; CAJAZEIRA, J.P. Manejo e Controle de Plantas Daninhas no Cultivo do Melão. Circular Técnica on line, v. 28, p. 1-8, 2008.

– MUNIZ, F.H. Padrões de floração e frutificação de árvores da Amazônia Maranhense. Acta Amazonica, v. 38, n. 4, p. 617-626, 2008.

– MENINO, G.C.O.; TOLENTINO, G.S.; AZEVEDO, I.F.P.; RODRIGUES, P.M.S.; VELOZO, M.D.M.; NUNES, R.F.; FE. Composição florística e estrutura da comunidade regenerante de um trecho da vegetação ciliar do rio Pandeiros, Norte de Minas Gerais. , 2008.

– QUEIROZ, E. P. Levantamento florístico e georreferenciamento das espécies com potencial econômico e ecológico em restinga de Mata de São João, Bahia, Brasil, Biotemas, v.20, p.41-47, 2007.

– NACIF, P.G.S.; COSTA, O.V.; ARAÚJO, M.; SANTOS, P.S. Complexo de Serras das Lontras e Una, Bahia:Elementos naturais e aspectos de sua conservação. SAVE Brasil, 2009.

– LIMA, J.R.; SAMPAIO, E.V.S.B.; RODAL, M.J.N.; ARAÚJO, F.S. Physiognomy and structure of a seasonal deciduous forest on the Ibiapaba plateau, Ceará, Brazil. Rodriguésia, v. 62, n. 2, p. 379-389, 2011.

– ZIPPARRO, V. B.; GUILHERME, F. A. G.; ALMEIDA-SCABBIA, R. J.; MORELLATO, L. P. C. Levantamento florístico de floresta Atlântica no sul do Estado de São Paulo, Parque Estadual Intervales, Base Saibadela. Biota Neotropica, v. 5, n. 1, 2005.

– DOMINGOS, C.S. Geoprocessamento na escolha de sistemas ambientais para aterros sanitários na Região Metropolitana de Fortaleza. Tese de Mestrado. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, 2007.

– DAN, M.L.; BRAGA, J.M.A.; NASCIMENTO, M.T. Estrutura da comunidade arbórea de fragmentos de floresta estacional semidecidual na bacia hidrográfica do rio São Domingos, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia, v. 61, n. 4, p. 749-766, 2010.

– LEMOS, J. R. Composição Florística do Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Rodriguésia, v. 55, n. 85, p. 55-66, 2004.

– AQUINO, A.R.L.; OLIVEIRA, F.N.S.; ROSSETTI, A.G.; LEAL, T.C.A.B. Levantamento de Plantas Daninhas na Cultura do Cajueiro nos Baixões Agrícolas Piauienses. Comunicado Técnico on line, v. 89, p. 1-6, 2003.

– OLIVEIRA-FILHO, A. A. T.; FONTES, M. A. L. Patterns of Floristic Differentiation among Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the Influence of Climate. Biotropica, v. 32, p. 793-810, 2000.

– SALES, H. D. DOS; SANTOS, R. M. DOS;. NUNES Y. R. F. ET AL. Caracterização Florística de um Fragmento de Cerrado na APA Estadual do Rio Pandeiros – Bonito de Minas/MG, MG.BIOTA, Belo Horizonte, MG, 2009.

– GOUVEIA, P.S. Padrão de atividades, dieta e uso do espaço de um grupo de Cebus xanthosternos (Wied-Neuwied, 1820) (Primates, Cebidae), na Reserva Biológica de Una, Bahia. Dissertação de mestrado. Ilhéus, BA: Universidade Estadual de Santa Cruz, 2009.

– VASCONCELOS, S.F. Fenologia e síndromes de dispersão de espécies arbustivas e arbóreas ocorrentes em uma área de carrasco no Planalto da Ibiapaba, Ceará. Tese de Mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2006.

– NEVES, G. M. S.; PEIXOTO, A. L. Florística e Estrutura da Comunidade Arbustivo-arbórea de dois Remanescentes em Regeneração de Floresta Atlântica Secundária na Reserva Biológica de Poço Das Antas, Silva Jardim, Rio De Janeiro. Pesquisas, Botânica, n. 59, p. 71-112, 2008.

– MORENO, M. R.; NASCIMENTO, M. T.; KURTZ, B. C. Estrutura e Composição Florística do Estrato Árboreo em Duas Zonas Altitudinais na Mata Atlântica de Encosta da Região do Imbé, RJ. Acta Botânica Brasilica, v. 17, n. 3, 2003.

– GRESSLER, E. Floração e frutificação de Myrtaceae de Floresta Atlântica: Limitações Ecológicas e Filogenéticas. Dissertação de mestrado. : Universidade Estadual Paulista, 2005.

– CUSTÓDIO, I.A.; GUEDES-BRUNI, R.R. Leguminosas Arbóreas da Flora Brasiliensis e Região de Tinguá ? Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 2, p. 591-593, 2007.

– GOUVEIA, P.S. Padrão de atividades, dieta e uso do espaço de um grupo de Cebus xanthosternos (Wied-Neuwied, 1820) (Primates, Cebidae), na Reserva Biológica de Una, Bahia. Dissertação de mestrado. Ilhéus, BA: Universidade Estadual de Santa Cruz, 2009.

– PIRES, A.C.B. A Conservação genética de espécies arbóreas nativas em remanescentes de Mata Atlântica, no município do Rio de Janeiro. Monografia. Seropédica, RJ: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2008.

– PAULA, J.E. Caracterização anatômica da madeira de espécies nativas do cerrado, visando sua utilização na produção de energia. Cerne, v. 11, n. 1, p. 90-100, 2005.

– RODRIGUES, P. C. G.; CHAGAS, M. G. S. DAS; SILVA, F. B. R. E ET AL. Ecologia dos Brejos de Altitude do Agreste Pernambuco. Revista de Geografia, v. 25, n. 3, p. 20-34, 2008.

– OLIVEIRA, R. P. D.; LONGHI-WAGNER, H. M.LONGHI-WAGNER, H. M.;BITTRICH, V., ET AL. Olyra. São Paulo, SP: Hucitec, 2001. 45-47 p.

– Base de Dados do Centro Nacional de Conservação da Flora (CNCFlora). Disponivel em: <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/>. Acesso em: 2011.

Como citar

CNCFlora. Swartzia flaemingii in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Swartzia flaemingii>. Acesso em 1 julho 2022.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.